Rita Tavares - CRP 05\25023

Minha foto
Sou psicóloga com interesse em Transtorno do déficit de atenção /hiperatividade (TDAH). Estou me dedicando a ajudar as pessoas que sofrem com os incovenientes desse transtorno.Esse transtorno quando tratado adequadamente elimina as conseqüências prejudicias que ela acarreta na qualidade de vida. Quero divulgar este trabalho para beneficiar e aliviar os portadores. Caso queiram falar sobre esse assunto enviem mensagem para o meu e-mail ritavares2005@hotmail.com. terei muito prazer em responder a todos. Aperfeiçoamento. ATUALMENTE SOU PÓS-GRADUANDA EM SAÚDE MENTAL E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO

VENHA ME CONHECER!

A sua visita é muito importante para mim.

Apresento em forma de palestra a divulgação do TDAH . Quem estiver interessado entre em contato. Quero divulgar este transtorno para o maior número de pessoas e poder ajudá-los.

Divulgando o TDAH!



Lugares que ministrei palestra sobre TDAH junto com a Dra Evelyn Vinocur ( psiquiatra )

. Centro de Convenções da Drogaria Venâncio - Rio de Janeiro 2008

. Rede MV I de ensino - Rio de Janeiro 2008

Atendimento Comunitário

Atendo crianças , adolescentes e adultos a preço simbólico. Entre em contato pelos tels ou e-mail.

Breve síntese sobre o TDAH

Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um distúrbio do neurodesenvolvimento infantil caracterizado por três sintomas primários:

Dificuldade de manter a atenção de forma consistente e prolongada, comportamento impulsivo e hiperatividade (inquietude).

O TDAH afeta cerca de 3 a 7% das crianças, com uma proporção entre meninos e meninas de aproximadamente 2/1. A taxa de prevalência do distúrbio é semelhante no mundo todo.

Há três subtipos de TDAH:

(1) TDAH predominantemente desatento;
(2) TDAH predominantemente hiperativo-impulsivo;
(3) TDAH misto.

Pais de crianças com TDAH freqüentemente notam que seus filhos têm dificuldade consistente em:

Prestar atenção enquanto seguem instruções, especialmente durante tarefas repetidas e rotineiras;
Retomar tarefas uma vez que elas tenham sido distraídas;
Prestar atenção a detalhes e completar tarefas;
Considerar múltiplas opções e conseqüências antes de agir;
Permanecer sentados sem ficar movimentando as pernas impacientemente e contorcendo-se na cadeira;
Falar excessivamente sem levar em conta as necessidades do ouvinte;
Controlar a agressividade ou o comportamento desafiador.

De acordo com os critérios diagnósticos, os sintomas do TDAH são geralmente observados antes dos 7 anos, mas freqüentemente surgem por volta dos 3 anos de idade. Além disso, para ser diagnosticada com TDAH, a criança deve exibir os sintomas em dois ou mais ambientes, como
1) escola, 2) casa e 3) outros ambientes sociais.

Para ser diagnosticado com TDAH, os sintomas precisam representar prejuízos significativos na vida escolar, social e profissional do indivíduo. É muito comum para uma criança com TDAH vivenciar sérias dificuldades na escola, demonstrar sérios problemas de interação social, debater-se para completar tarefas ou o dever-de-casa e envolver-se em conflitos com os pais e outros adultos.

O TDAH não é resultado direto de outras desordens mentais, dificuldades de aprendizagem, distúrbios do desenvolvimento, ansiedade ou depressão, embora essas condições possam ocorrer junto com o TDAH, como comorbidades.


Especial "Dia das Mães"

Entre todos os papéis que as mães têm que executar para com seus filhos, vou me ater a escrever sobre a função de educá-los.
A MÃE e o TDAH (transtorno do déficit de atenção e/ou hiperatividade).
É! Ser mãe não é uma tarefa muito fácil, todos nós sabemos, mas imagine como é ser mãe de um filho que apresenta dificuldade para prestar atenção, distrai-se facilmente e fica com a mente vagando pelo "mundo da lua" parecendo que não ouve o que se está falando. Tem pouca paciência para estudar e fazer os deveres mostra agitação, inquietude e uma capacidade incrível de fazer milhões de coisas ao mesmo tempo ou ainda ser a mãe de uma menina que é comportada, quieta, mas que não participa das aulas e que está sempre distraída enquanto fica folheando o seu caderno, rabiscando na carteira, no estojo e na agenda. Tanto no caso das meninas distraídas quanto no dos garotos bagunceiros, o trabalho com os seus filhos é muito árduo. Essa mãe, provavelmente será chamada para conversar com a diretora da escola do seu filho, muitas vezes, ao longo do ano. Desta mãe exige-se muita dedicação, paciência, fortaleza e perseverança, pois a convivência é muito exaustiva. Se educar um filho é trabalhoso, educar um filho com TDAH é duas vezes mais.
Então resolvi parabenizar, neste próximo domingo, essas mães maravilhosas que buscam sem cessar todas as soluções possíveis para ajudar a seus filhos. Sei da luta e do esforço delas e também como se sentem muitas vezes perdidas sem saber a quem mais recorrer. Digo que elas são dignas de admiração pelo imenso esforço e que são mulheres muito especiais. Que Deus as proteja!

Rita Tavares (psicóloga) CRP 05.25023
ritavares2005@hotmail.com


Tels:. 2268.8933







Última hora!

TDAH causa perda de 22 dias de trabalho por ano. Adultos com TDAH perdem até 22 dias de trabalho por ano,segundo a pesquisa coordenada pela OMS da qual participaram cerca de 7 mil trabalhadores com idade entre 18 e 44 anos de vários países . O disturbio foi diagnosticado em 3,5 % de amostra, em sua maioria homens e de países desenvolvidos. O total de dia perdidos por ano foi categorizado da seguinte forma: 8,4 dias de ausência no trabalho,21,7 dias com quantidade de trABALHO REDUZIDA E 13,6 DIAS EM QUE A QUALIDADE DE trabalho foi prejudicada. Os autores, que fazem parte de um consórcio de pesquisa entre OMS e a Universidade Harvard, recomendam que o distúrbio seja incluído nos programas de saúde ocupacional das empresas, pois o tratamento existe, é eficaz e seu custo é muito menor que as perdas em produtividade.

Dicas importantes.

10 coisas que adultos com TDAH gostariam que seus (suas) parceiros (as) soubessem
Eu sou uma pessoa, eu tenho sentimentos e capacidade para dar e receber amor e eu anseio por compaixão, compreensão e cuidado na minha vida assim como você. Meu processo de pensar e meu estilo de aprender são diferentes, mas isso não muda minhas necessidades emocionais
Lembre-se de encontrar prazer no fato de eu ser único
Nunca assuma que uma palavra sem cuidado foi intencional até ter conversado sobre isso comigo
Aprenda o máximo que puder sobre o TDAH. Esse aprendizado me dará credibilidade.
Conheça meus atributos positivos e meus pontos fortes e não se prenda às minhas faltas ou deficiências.
Eu tenho TDAH e eu não posso fugir ou acabar com ele. Eu posso, entretanto, aprender como gerenciar os sintomas. Alguns dias eu estarei melhor que outros.
Eu não uso TDAH como desculpa!!!!
TDAH pode me deixar distraído. Se você tiver alguma coisa importante para conversar comigo, por favor, deixe para fazê-lo quando as distrações forem mínimas. Sente-se comigo, desligue a TV e tenha certeza de que as crianças estão no quarto.
Afirme que sou amável e que você me ama apesar das minhas falhas.
Pelo fato de eu ter TDAH, não conclua que todos os problemas da relação são minha culpa. Conheça suas responsabilidades pelas dificuldades e tome ações para corrigir isso. Tratar-me como um parceiro em pé de igualdade demonstra que você me respeita como pessoa.

Bibliografia.


No Mundo da LuaPaulo MattosEditora Lemos
Tendência à DistraçãoEdward HallowellEditora Rocco

Transtorno de Déficit de Atenção/HiperatividadeRussell A. BarkleyEditora Artmed, 2002
Transtorno de Déficit de Atenção: A Mente Desfocada em Crianças e Adultos Thomas E. BrownEditora Artmed, 2007

Transforme seu Cérebro,Transforme sua VidaDaniel G. AmenEditora Mercuryo
Mentes InquietasAna Beatriz G. SilvaEditora Gente

Princípios e Práticas em TDAHLuis Augusto Rohde,Paulo Mattos & Cols.Editora Artmed, 2003
Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade - O que é?Como Ajudar?Luis Augusto Rohde & Edyleine B. P. BenczikEditora Artmed, 1999


TDA/TDAH Transtono de Déficitde Atenção e HiperatividadeThomas W. PhelanEditora M. Books, 2005
TDAH nas EscolasGary Stoner, George J. DuPaulOrientações práticas para professores, educadores envolvidos com as necessidades de alunos com TDAHEditora M. Books, 2007


Vocês sabiam que os adultos podem ter TDAH?

Pois é isso é possível porque hoje sabe-se que o TDAH não desaparece com o crescimento.
Ele permanece na vida toda.
Quando não é feito tratamento o prejuízo poderá ser bastante significativo na vida dele em vários setores, e seu potencial prejudicado.
Isto é a pessoa não rende o que poderia render. Ela fica em desvantagem nas exigências da vida de desempenho.
Hoje sabe-se que muito poderá ser feito para alterar essa grande possibilidade.
Quanto mais cedo se trata menos conseqüências negativas serão desenvolvidas.

Abraços a todos.

TDAH–Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade

TDAH–Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade